Daniel Fonseca_foto Henrique Casinhas

BODYBOARDERS NACIONAIS PROCURAM “FELICIDADE” EM SUPERTUBOS

Daniel Fonseca e Rita Pires são dois dos atletas em destaque para a segunda manga do Nacional, nos próximos dias 19 e 20, em Peniche. Daniel, o campeão nacional em título, espera excelentes condições para a praia de Supertubos, o palco preferido da península do Oeste. Rita Pires, 11 vezes campeã nacional, fala do seu regresso à competição e do circuito

 Há já grande expectativa à volta da segunda etapa do Circuito Nacional de Bodyboard, dias 19 e 20 deste mês, em Peniche, com mais 60 dos melhores atletas nacionais da modalidade esperados na Praia de Supertubos para as competições open masculina e feminina.

Num ano em que a organização fez grande aposta com novo patrocinador principal do circuito e um webcast inédito na história da modalidade, tudo indica que os elementos conspiram a favor desta etapa, esperando-se, a avaliar pelas previsões de longo prazo, excelentes condições na praia de Supertubos, com ondas de tamanho bastante razoável e vento Norte, “offshore” naquela praia da península penichense. Tudo somado e traduzido, ondas tubulares e grande espetáculo de bodyboard.

Esta é, pelo menos, a expectativa de Daniel Fonseca. O campeão nacional, local de Peniche e líder do circuito, convidado a reagir às previsões para o campeonato responde com apenas uma palavra: “Felicidade!”

 “Pelo menos desde Santa Cruz (primeira etapa do circuito nacional, o mês passado) que não há uma boa ondulação para Supertubos e, habitualmente, a primeira ondulação de Setembro costuma dar altas ondas”, assegura Fonseca, justificando: “Nesta altura, a praia está ainda com fundos de verão, com muita areia depositada nos bancos, o que tem como efeito a formação de boas ondas.”

 Daniel Fonseca é, obviamente, um dos favoritos à vitória em Peniche, com o fator casa a pesar significativamente, mas o campeão nacional coloca alguma água na fervura das apostas: “É difícil apontar favoritos numa onda como a de Super. É uma onda que permite que o quarto classificado na bateria faça, de repente, uma nota 10 num tubo profundo e vire o heat a seu favor. Há muitos fatores concorrentes ali, mas é verdade que me sinto em casa e essa é a única vantagem ao meu dispor. Só posso dizer que vou tentar mostrar o meu melhor nível e, agora com o webcast posso dizer isto, mostrá-lo ao Mundo.”

Outra figura que irá concentrar muitas atenções é Rita Pires. A 13 vezes campeã nacional, lenda internacional da modalidade, regressou à competição para este circuito Nacional e fez questão de explicar que, aos 42 anos, ainda tem muito surf para mostrar, tendo chegado ao terceiro lugar na etapa inaugural do circuito, o mês passado, em Santa Cruz.

Depois de um interregno de 8 anos (competiu pela última vez no circuito nacional de 2012), a local da Costa de Caparica conta a história de um regresso que esteve para não acontecer: “Estive afastada, não só da competição, mas do próprio bodyboard durante alguns anos. Mas no início de 2020 recebi um convite da Associação de Surf da Costa de Caparica, pela pessoa do seu presidente Miguel Gomes, para representar o clube na Taça de Portugal. Foi um desafio que aceitei com agrado por ser o clube da terra e voltei a treinar. A Taça acabou por ser cancelada e com ela, pensei, a hipótese de regressar. Mas depois vi a apresentação deste Nacional, achei o formato interessante, as etapas e as datas, que não interferiam com a minha agenda pessoal, e decidi participar.”

 A análise que a experiente bodyboarder internacional fez do atual circuito foi determinante na decisão, afirma: “Parece-me que a organização deu todos os passos certos, com o mérito acrescido de o ter feito num ano em que estamos a lidar com uma situação de extraordinária dificuldade com esta pandemia.”

 E acerca da sua participação na etapa de Peniche e, espera-se, o reencontro competitivo com a onda de Supertubos?… “As previsões favoráveis são uma boa notícia. É uma onda que gosto muito e ficarei muito contente se tudo se alinhar para termos boas condições.”

 Para seguir a transmissão em direto aceder ao canal de Youtube da BBoard TV

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand

2ª etapa, 19 e 20 de Setembro, Peniche, FPS/PPSC

3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN

4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

118236508_140125391102607_797623961067507139_o

DANIEL FONSECA E JOANA SCHENKER TRIUNFAM NA PRAIA DO MIRANTE

 

Os campeões nacionais em título, Daniel Fonseca e Joana Schenker, confirmaram o seu estatuto e venceram hoje a primeira etapa do Circuito Nacional de Bodyboard 2020, na Praia do Mirante em Santa Cruz.

 Mas não foi, nem de perto nem de longe, um passeio para Daniel e Joana, que tiveram pela frente concorrência muito forte e, até certo ponto, inesperada.

 Na competição masculina, depois de, no sábado, Pierre Louis Costes ter dominado, tendo estado muito perto de conseguir uma nota 10 (9,83) e somado o score total mais alto da competição (17,83), o “wildcard” do circuito foi surpreendentemente eliminado nos quartos de final da prova, batido por Daniel Fonseca e Fábio Farricha, começando a desenhar-se assim o triunfo do campeão nacional.

 Contudo, com nível altíssimo e grande nível de incerteza a caracterizar toda a prova, quem assistiu ao webcast (o primeiro da história do circuito nacional) viu nas meias-finais o 8 vezes campeão nacional Manuel Centeno surfar a níveis estratosféricos e “despachar” o atleta local da Associação Sealand, Pedro Fernandes, e o penichense Fábio Farricha com um score total de 17.66 (9.33 e 8.33), levando Daniel Fonseca pelo braço (13.37) até à final.

 Mas na final, Daniel puxou dos galões, fez um heat inteligente e apoiado numa onda de 8.50, juntou mais um “score” de 6.33 e venceu a etapa.

 O segundo classificado foi uma meia-surpresa: Joel Rodrigues, do Clube Naval Povoense, de apenas 16 anos, fez um heat extraordinário (14.17) e ficou perto de conquistar uma vitória histórica.

 No terceiro lugar acabou Miguel Adão, da Figueira da Foz, que liderou grande parte da bateria, e Manuel Centeno, que passou o heat à procura de uma onda igual às duas que apanhou nas “meias”, ficou pelo quarto lugar.

 “Estivemos um pouco à espera que começasse o heat e vi que haviam umas ondas que tinham muito mais potencial. Não arrisquei muito, fiz uma pontuação de ‘backup’ e depois esperei pela onda em que encaixei três manobras e que me permitiu ganhar a bateria”, resumiu Daniel, acrescentando a propósito da sua campanha pela defesa do título: 

 “Foi o melhor arranque que podia desejar e esta organização excelente que está por trás deste circuito dá-me ainda mais motivação para representar o bodyboard nacional e ser campeão novamente.”

 Na prova feminina, Joana Schenker teve de suportar o assalto à vitória por parte da nazarena Teresa Almeida e da regressada Rita Pires, a 11 vezes campeã  nacional que voltou a competir após um afastamento de 7 anos e teve um impacto incrível na etapa, classificando-se em terceiro lugar, apenas superada pela atual campeã, Joana Schenker, e por Teresa Almeida, que também protagonizou notável exibição. Mariana Machado, “wildcard” da Associação Sealand, de Santa Cruz, fechou o pódio.

 “Foi um stress bom voltar à competição. Senti um pouco o nervosismo e pressão nesta final, que não foi fácil, mas felizmente apareceu uma onda boa para mim. Mas todas surfámos bem na final e foi bom conseguir impor-me e ganhar”, afirmou Schenker, que não poupou elogios organização deste renovado Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020: 

 “Adorei este campeonato, foi um sucesso do princípio ao fim. Tivemos o regresso da Rita Pires, uma atleta muito importante para mim no início da minha carreira competitiva, e que surfou muito bem. Foi bom voltar a sentir a pressão de ter ali a Rita. Mas gostei mesmo da organização, do webcast, e senti-me muito bem a competir pois senti que estava no sítio certo. Tudo a correr bem num campeonato muito profissional e só tenho de dar os parabéns a todos os envolvidos.”

 O circuito segue então para Peniche, dias 19 e 20 de Setembro, para a segunda etapa.

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

 

1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand

2ª etapa, 19 e 20 de Setembro, Peniche, FPS/PPSC

3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN

4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

santa

OS 64 MELHORES RIDERS NACIONAIS, SÁBADO E DOMINGO, NA PRAIA DO MIRANTE

 

Arranque do Nacional de Bodyboard em Santa Cruz com grande adesão e promessa de boas ondas. Mariana Machado e Guilherme Godinho são as mais recentes novidades para a etapa inaugural do Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola, que arranca este fim de semana (22 e 23), em Santa Cruz. Dois dias de bodyboard do mais alto nível, com os 64 melhores atletas nacionais (48 masculinos e 16 femininos), entre os quais o convidado da organização, Pierre Louis Costes, francês duas vezes campeão do Mundo que se estreia este ano na competição doméstica, ao cabo de 10 anos a residir em Portugal.

A juntar ao elenco de luxo para a competição, as condições do mar confirmam o acerto da aposta da organização em Santa Cruz, com a promessa de uma boa ondulação, mesmo com algum vento norte à mistura.

Guilherme Godinho, um dos convidados locais, assegura que quem não conhece bem Santa Cruz ficará agradavelmente surpreendido. “A avaliar pelas previsões, as pessoas vão ficar surpreendidas pois vamos ter boas ondas. Não vai estar o melhor tempo para estar na praia mas vamos todos pelo surf e posso garantir que vamos ter dois dias de muito bom bodyboard. E depois, vamos ter os melhores portugueses e um bodyboarder que vai fazer tudo parecer fácil”, afirma Guilherme Godinho, referindo-se a Pierre Louis Costes, considerado por muitos o melhor bodyboarder mundial da atualidade. Guilherme, de 27 anos, nasceu em Lisboa mas há 13 anos que tem casa em Santa Cruz, pertenceu ao Núcleo de Bodyboard de Santa Cruz e é sócio da Associação Sealand desde a primeira hora. Ausente da competição há alguns anos e a trabalhar no estrangeiro, o wildcard local agradece a aposta da Sealand: “Não compito há dois anos mas tenho uma ligação de muito carinho à Sealand e agradeço muito a confiança que depositam em mim com este wildcard. Estão a fazer um grande trabalho pelo bodyboard e por Santa Cruz.”

 

Mariana Machado, outro nome que andou arredado do circuito nacional o ano passado, regressa este ano a convite da Sealand e está confiante num bom fim de semana de competição. “Sou das Caldas da Rainha mas conheço muito bem Santa Cruz, cheguei a trabalhar aqui alguns verões, dou-me muito bem com os locais e com a Associação Sealand, um clube em franco desenvolvimento, muito dinâmico e que tenho muito prazer em ajudar a crescer. De resto, Santa Cruz é o ‘spot’ ideal para ter um campeonato nesta altura do ano, estou confiante que teremos condições divertidas e o facto de não termos competição há tanto tempo vai fazer com que as pessoas se envolvam e motivem”, diz a bodyboarder de 29 anos.

Frederic Rebelo, presidente da Associação Sealand, corrobora as expectativas de um bom espetáculo, pormenorizando: “Vamos ter uma ondulação a entrar com muita força na sexta-feira e que vai descer ligeiramente durante o fim de semana, mas mantendo a consistência. É uma ondulação de noroeste e que que recebemos em Santa Cruz diretamente, de braços abertos. Também teremos algum vento norte, que não é o ideal mas que não deverá afetar as condições do mar. Aliás, o pico do Mirante, onde se realizará o campeonato, é o que tem apresentado melhores fundos, pelo que está tudo reunido para termos um excelente campeonato.”

Frederic Rebelo destaca a competência da associação a que preside na coorganização deste evento: “Temos pessoal com grande experiência em eventos deste género. Já participámos, com a Câmara de Torres Vedras, na organização de Europeus de Surf e Eurojuniores, por exemplo, e existe uma dinâmica desportiva e cultural muito grande aqui em Santa Cruz. Tenho muita confiança no sucesso de mais este desafio.”

 

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

 

1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand

2ª etapa, 19 e 20 de Setembro, Peniche, FPS/PPSC

3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN

4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

PLC

CAMPEÃO MUNDIAL PIERRE LOUIS COSTES É WILDCARD DO NACIONAL A CONVITE DA BBOARDTV

Francês vive em Portugal e vai estrear-se no CNBB CRÉDITO AGRÍCOLA 2020.

Pierre Louis Costes, campeão do circuito mundial em 2011 e 2016, vai competir pela primeira vez num circuito nacional português, no caso, no Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020, que arranca em Santa Cruz no fim-de-semana de 22 e 23 de Agosto.

Uma opção natural para o bodyboarder francês de 30 anos, que reside em Portugal há cerca de 10 anos, e que se explica por uma série de razões, de contexto internacional mas não só, diz:

“Sempre competi no circuito nacional francês e até já tive a oportunidade de entrar em nacionais nos EUA e na Austrália, mas à medida que os meus objetivos foram mudando, com a prioridade nos Mundiais e Europeus, os nacionais foram ficando para trás. Este ano, com o Mundial praticamente cancelado devido à pandemia, e com a oportunidade de competir no nacional português, não hesitei. A paragem do circuito mundial fechou-me uma porta mas abriu esta janela de oportunidade.”

Uma decisão que acarretou muita burocracia mas que, diz, se tornou mais apelativa tendo em conta as características da prova, explica aquele que é considerado por muitos o melhor bodyboarder da atualidade:

“O circuito nacional deste ano promete. Está muito bem organizado, as etapas são em altos ‘spots’ para surfar, têm transmissão em direto, e, como sempre em Portugal, um alto nível competitivo. Para mim, é o melhor circuito nacional de bodyboard do Mundo.”

PLC, como é conhecido no meio, não poupa elogios ao bodyboard nacional, que conhece muito bem, até de uma época anterior à mudança para Portugal:

“Desde que me mudei para Portugal que sigo o Nacional e admiro muito a qualidade da prova, com os melhores portugueses sempre a fazer questão de participar, o que nem sempre vejo noutros países. Daniel Fonseca, Dino Carmo, Hugo Pinheiro e Manuel Centeno são ‘riders’ de grande qualidade e estou muito curioso e com grande expectativa de competir com eles.”

Acerca da possibilidade de vencer a prova sem poder reclamar o título nacional por ser cidadão francês, Costes reconhece que já discutiu o tema com alguém que conhece bem essa realidade, Joana Schenker. Recorde-se que a campeã nacional nascida em Portugal, mas de ascendência alemã, chegou a vencer um circuito sem poder reclamar o título (2013), tendo entretanto assegurado a nacionalidade portuguesa e conquistado mais seis títulos nacionais.

“Acho que é a altura certa. Por uma coincidência feliz, a Pride, meu patrocinador principal, também vai apoiar o circuito, o que me deixa muito feliz. Temos quatro etapas muito sólidas”, refere PLC, destacando Supertubos “porque nunca tive a oportunidade de competir ali”, sublinha, acrescentando:

“Percebo que posso até ser um dos favoritos mas vai ser muito difícil. Já assisti a finais do Nacional e o nível é tão alto como no Mundial. Sei que não posso ser campeão nacional, mas ficaria muito contente e orgulhoso se vencesse este Nacional.”

Quanto aos maiores rivais na luta pela vitória, Pierre refere vários mas destaca um entre todos: o atual campeão nacional Daniel Fonseca.

“Vai ser o meu maior rival. O Daniel tem nível para fazer parte do ‘top’ mundial. É talvez o melhor português do momento. Sei que há uma geração mais jovem que começa a querer aparecer e os veteranos Manuel Centeno e Hugo Pinheiro, mas o Daniel, sem dúvida, será o grande obstáculo a ultrapassar.”

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020 arranca dias 22 e 23 de Agosto, sendo que a organização ainda divulgará, até lá, mais dois “wildcards” locais.

 

logo

PROVA ARRANCA 6 MESES DEPOIS DO INICIALMENTE PLANEADO DEVIDO À PANDEMIA

PROVA ARRANCA 6 MESES DEPOIS DO INICIALMENTE PLANEADO DEVIDO À PANDEMIA

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020 arranca com (muita) segurança e entusiasmo

Inicialmente previsto para dar o pontapé de saída em Março, na Póvoa de Varzim, o Nacional começa, afinal, em Santa Cruz, dias 22 e 23 de Agosto. Um feito da organização, patrocinadores, Federação Portuguesa de Surf e clubes envolvidos que implicou grande esforço logístico e um plano de higiene e segurança “à prova de bala”

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola (CNBBCA) está pronto para arrancar. Depois de substanciais reajustes no calendário e a elaboração de um robusto plano de higiene e segurança, necessários em consequência da crise pandémica da COVID-19, o Nacional está de pé e com quatro etapas que garantem um dos mais espetaculares circuitos de sempre.

O arranque é já em Agosto, em Santa Cruz, um dos “spots” mais consistentes da costa portuguesa (sempre garante de boas ondulações mesmo no pico do verão), passando depois, em Setembro, a Peniche, terra recheada de ondas de qualidade mundial, rumando então, em Outubro, a Nazaré e terminando na Póvoa de Varzim, um dos maiores “hubs” de jovens talentos da atualidade.

Um roteiro que tira proveito de todo o potencial das ondas nacionais e que traz grande satisfação aos protagonistas da modalidade, começando pelo campeão nacional Daniel Fonseca, que salienta “o feito” de erguer uma prova tão ambiciosa no atual contexto nacional e internacional: “Basta olhar para o mundo da competição, desportos de ondas e outros, e ver tudo parado para perceber que organizar um Nacional de Bodyboard neste panorama é um grande feito.” 

O campeão nacional acrescenta também que é com grande alegria que encontra uma razão para treinar: “Surfar faz parte da minha vida, mas treinar é outro estado de espírito e requer outra motivação que é muito difícil ter sem competições. Quanto ao objetivo para este ano, é o de sempre: ser campeão.”

Também a campeã nacional Joana Schenker partilha o entusiasmo de Daniel Fonseca e revela mesmo algum alívio tendo em conta que, devido ao contexto mundial, esta pode mesmo ser o único circuito em que poderá participar: “Fico muito contente por saber que vamos competir. Nós atletas precisamos disto para sentir que estamos a voltar a normalidade.” 

A campeã mundial de 2017 manifesta-se, acima de tudo, orgulhosa pelo “sinal importante” que o bodyboard português envia para fora simplesmente pelo facto de conseguir levantar um circuito do chão nesta altura. 

“É um sinal importante que conseguimos, enquanto modalidade e comunidade, ultrapassar adversidades e adaptarmo-nos a esta realidade impensável há apenas uns meses”, diz a bodyboarder de Sagres, acrescentando: “Vai tornar-se um verdadeiro acontecimento internacional e é um exemplo de otimismo para toda a gente, até extra-desportivamente.”

A demonstrar que este Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola está a ser extremamente mobilizador, há a celebrar a participação das duas maiores referências do bodyboard nacional dos últimos 15 anos, Hugo Pinheiro e Manuel Centeno, donos, entre os dois de 14 títulos nacionais.

Hugo, que o ano passado praticamente esteve afastado da competição, apela a todos para que estejam já em Santa Cruz, uma praia de que, assume “gosta muito”: “Fico muito feliz por ver anunciado o Nacional, ainda para mais com novos apoios e energia renovada, principalmente num ano super difícil para todos e terei todo o gosto em participar. Pode ser um ano de viragem e é fantástico conseguirmos fazer isto num ano que vai ficar marcado para sempre. Vamos estar numa praia de que gosto muito e que, sobretudo nesta altura do ano, é das melhores do país.”

Já Manuel Centeno, grande rival e amigo de Pinheiro, confessa ter saudades da competição: “A minha atitude nos campeonatos mudou, já não vou ‘contra tudo e contra todos’, de forma tão agressiva e até pouco saudável, vou competir contra mim. É um momento importante e sentir integrado numa comunidade que precisa de força, expressão, que precisa de pessoas como eu, o Hugo Pinheiro ou o Daniel. E confesso que, passados uns meses em casa, estou com saudades do som da buzina. Desperta sempre qualquer coisa…”

Também para a Federação Portuguesa de Surf, o lançamento deste Circuito Nacional de bodyboard Crédito Agrícola 2020 é de grande importância, dada a crise no panorama desportivo nacional e internacional. O presidente da FPS, João Aranha : “Assisto com grande entusiasmo ao advento de mais um Circuito Nacional de Bodyboard reforçado e musculado, com a aposta de um patrocinador que, como nós, acredita no sucesso desta aposta ambiciosa.”

Mas a grande notícia deste circuito é, para já, sem nenhuma bateria ainda disputada, a parceria com o “naming sponsor” Crédito Agrícola. Uma colaboração que Isabel Matos, Diretora do Gabinete de Comunicação e Relações Institucionais daquela instituição bancária, considera “natural”: “O sponsorship do Circuito Nacional de Bodyboard é uma iniciativa que surgiu como natural para o Crédito Agrícola, pois há muitos anos que apoiamos esta modalidade que conjuga a actividade desportiva com as preocupações ambientais. A política de sustentabilidade do Grupo Crédito Agrícola que colocamos em prática nos apoios que concedemos, vai ao encontro de uma população jovem e activa como são os praticantes de bodyboard. O Grupo CA com esta iniciativa reforça os seus valores e mostra o quanto está próximo dos jovens.”

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020
1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand
2ª etapa (data a confirmar), Peniche, FPS/PPSC
3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN
4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

3 etapa open santa cruz fotos dias 2_f-48

JOANA SCHENKER HEXACAMPEÃ NACIONAL EM SANTA CRUZ ENQUANTO FÁBIO FERREIRA VENCE OPEN NO OESTE

Joana Schenker sagrou-se hoje campeã nacional de bodyboard pela sexta vez consecutiva ao vencer a terceira etapa do circuito nacional powered by BBoard TV, em Santa Cruz, batendo Teresa Almeida, Mariana Rosa e Madalena Padrela na final.

“O meu objetivo era vencer o Nacional. Apesar de ser a conquista mais ‘normal’ para mim, é também aquele me me coloca mais pressão porque parece que estou obrigada a ganhar e a verdade é que a concorrência é muito forte, com todas a surfar muito bem e fazerem-me pagar qualquer descuido, pelo que estou muito contente e aliviada em ter garantido o título tão rapidamente” , confessou a hexacampeã nacional que vem de Sagres.

E, agora, todas as armas estão apontadas à conquista do Mundial, que Joana deteve em 2017 e que perdeu para a japonesa Ayaka Suzuki: “Sinto-me agora mais preparada para a primeira etapa do Circuito Mundial, no Chile daqui a três semanas, devido a esta pressão que senti no Nacional e sei que estou em forma e a surfar bem. De resto, o nível do Nacional feminino está equiparado ao Mundial e esta nova geração está pronta a dar o salto lá para fora.”

Tudo em aberto no Nacional Open

Entretanto, no Open, depois da eliminação precoce do líder do Nacional, Daniel Fonseca, no primeiro dia de competição nos oitavos de final, também hoje houve surpresas, com o segundo classificado do “ranking”, Dino Carmo, a ser arredado nos quartos de final e o “outsider” Fábio Ferreira, da Póvoa de Varzim, a bater o conterrâneo Ricardo Rosmaninho e a vencer uma final que ninguém desenharia à partida, com Bernardo Machado e o local Tiago Prudêncio a completarem o pódio.

Fábio Ferreira , de 29 anos, não escondia o contentamento por alcançar a primeira vitória de sempre no Open: “Estou a viver em Lisboa e vim cá treinar durante a semana mas as ondas aqui estavam parecidas com as que cresci a surfar na Póvoa, com uma esquerdinha muito favorável para nós. Mas estou sem palavras por vencer a primeira vez. Já ando cá há muitos anos mas foi muito bom vencer pela primeira vez.”

As contas do Nacional Open ficam agora completamente em aberto, pois embora Ricardo Rosmaninho esteja agora em primeiro lugar do “ranking”, tem quatro atletas na corrida: Dino Carmo e Daniel Fonseca em posição cimeira e Manuel Centeno e Miguel Adão a correr por fora.

Tudo será decidido nas ondas de São Jacinto, Aveiro, dias 1 e 2 de Junho, onde também se definirá o Nacional de Dropknee que em Santa Cruz não se realizou.

A terceira etapa do Circuito Nacional de Bodyboard powered by BBoard TV é organizada pela Associação Sealand Santa Cruz com a chancela da Federação Portuguesa de Surf. Os apoios institucionais ficam por conta da Câmara Municipal de Torres Vedras, da Junta Freguesia da Silveira, Junta de Freguesia de A-dos Cunhados e Maceira e Federação Portuguesa de Surf. Os mecenas da Sealand são o Café Parque, Noah Surf & Soul, Manel Sport e Contafirme Seguros e Contabilidade. O apoio fica a cargo da MedicisForma.

CALENDÁRIO CIRCUITO NACIONAL 2019

1ª etapa – 23 e 24 de março, Peniche, BB Open, BB Fem e BB Dropknee
Organização: FPS / PPSC
2ª etapa – 13 e 14 de abril, Costa da Caparica, BB Open BB, Fem e BB Dropknee
Organização: FPS / Câmara Municipal de Almada
3ª etapa – 18 e 19 Maio, Santa Cruz, BB Open e BB Fem
Organização: FPS / A.S.S.C
4ª etapa – 25 Maio, Carcavelos, BB Fem
Organização: FPS / Aqua Carca 
5ª etapa – 01 e 02 Junho, S. Jacinto, BB Open e BB Dropknee

AF_Cartaz_Open_Etapa3_aoBaixo_v4

Nacional ao rubro ruma a Santa Cruz

TERCEIRA ETAPA DO CIRCUITO NACIONAL DE BODYBOARD DIAS 18 E 19 DE MAIO

A Praia do Mirante, em Santa Cruz, terá um papel decisivo a desempenhar nos títulos nacionais de Bodyboard open e feminino dias 18 e 19 de Maio, com a nata da modalidade a deslocar-se até aquela que é considerada uma das praias mais consistentes do país no que a ondas diz respeito. Um evento que decorre em Santa Cruz pelo segundo ano consecutivo e que nasce de uma grande aposta da associação Sealand e da autarquia local.

Com a luta pelo título nacional open ao rubro, com Daniel Fonseca a liderar por magra margem face a Dino Carmo e com Miguel Adão, Manuel Centeno e Ricardo Rosmaninho ainda à espreita.

Daniel Fonseca, que lidera o “ranking” por apenas 22 pontos (!) (1892 contra 1870 de Dino Carmo), está otimista para a etapa de Santa Cruz, numa onda que conhece bem: “Conheço bem as ondas de Santa Cruz, já lá surfei muitas vezes e a maioria dos campeonatos que lá fiz correu-me bem. Sei que é uma etapa importante para o título e vou tentar por tudo ganhar.”

Daniel tem, de resto, primado pela consistência, tendo sido segundo classificado em Peniche e Caparica. Mas assume que quer o lugar mais alto do pódio em Santa Cruz: “Nas outras etapas lutei pela vitória e não consegui, mas ‘água mole em pedra dura…’”

Já no feminino, a campeã nacional Joana Schenker, que já leva duas vitórias em outros tantas etapas, parece inexoravelmente lançada para o sexto título nacional.

O conhecimento local de Bernardo Tomé

Apesar de Santa Cruz não ter produzido nenhum campeão nacional para a modalidade, os seus bodyboarders locais são conhecidos pelo talento e apetência para ondas de consequência. Um dos mais versáteis deste lote é Bernardo Tomé, de 31 anos, que confessa que o que lhe dá mais “pica” é surfar em casa com os amigos na plateia: “Competir aqui é o que me dá mais ‘pica’, é onde me solto mais. Já fui aos quartos de final do Nacional a surfar em Santa Cruz. Nunca cheguei à final porque falta-me a consistência e o foco. Na verdade, é ao contrário: quando estou mais relaxado e até ‘desmazelado’ é quando me sinto melhor e tenho melhores resultados.”

Quanto ao conhecimento local e as expectativas de um bom campeonato, Bernardo não tem dúvidas: haverá boas ondas.

“Podemos esperar ondas com muito ‘power’. Santa Cruz é, a par da Nazaré, dos sítios da nossa costa que recebe mais ondulação. Podemos contar com bons tubos e rampas para o campeonato”, garante o experiente local.

A terceira etapa do Circuito Nacional de Bodyboard powered by BBoard TV é organizada pela Associação Sealand Santa Cruz com a chancela da Federação Portuguesa de Surf. Os apoios institucionais ficam por conta da Câmara Municipal de Torres Vedras, da Junta Freguesia da Silveira, Junta de Freguesia de A-dos Cunhados e Maceira e Federação Portuguesa de Surf. Os mecenas da Sealand são o Café Parque, Noah Surf & SoulManel Sport e Contafirme Seguros e Contabilidade. O apoio fica a cargo da MedicisForma.

CALENDÁRIO CIRCUITO NACIONAL 2019

1ª etapa – 23 e 24 de março, Peniche, BB Open, BB Fem e BB Dropknee

Organização: FPS / PPSC
2ª etapa – 13 e 14 de abril, Costa da Caparica, BB Open BB, Fem e BB Dropknee

Organização: FPS / Câmara Municipal de Almada
3ª etapa – 18 e 19 Maio, Santa Cruz, BB Open e BB Fem
Organização: FPS / A.S.S.C

4ª etapa – 25 Maio, Carcavelos, BB Fem

Organização: FPS / Aqua Carca 
5ª etapa – 01 e 02 Junho, S. Jacinto, BB Open e BB Dropknee

caparica

Dino, Joana e Rafachinho triunfais na Costa de Caparica

Dino

Carmo reforçou a candidatura ao título de campeão nacional de Bodyboard
Open ao vencer hoje a segunda etapa do circuito nacional 2019 powered
by BboardTV, na Costa
de Caparica.

O nazareno superou na final Daniel Fonseca, Manuel Centeno e o local Hélder “Dicha” Mendes para juntar uma vitória ao quarto lugar obtido na primeira etapa, em Peniche o mês passado.
Uma liderança para a qual também contribuiu decisivamente a eliminação precoce de Ricardo Rosmaninho, nos quartos de final da prova.

Referência também para Hugo Pinheiro, campeão em título e local da Caparica,
 que depois de uma exibição dominadora na véspera, caiu hoje nas meias finais, batido por Daniel Fonseca e Manuel Centeno.

“É
uma vitória importante mas ainda não me sinto lançado para a conquista
do título. O Daniel Fonseca tem dois segundos lugares, o Manuel Centeno
tem um terceiro lugar e o Rosmaninho venceu em Peniche. Qualquer um
deles pode ainda vencer o campeonato. É claro que estou muito contente
pois estava em ‘jeum’ há dois anos, com várias finais, mas já sentia
falta de uma vitória”
,
resumiu Dino Carmo, que este ano não correrá o circuito mundial na
íntegra e, como tal, elege o Nacional como principal objetivo.

Joana Schenker soma e segue

Na competição feminina, Joana Schenker venceu na Caparica pelo quinto ano consecutivo e somou mais um primeiro lugar ao obtido na etapa inaugural, em Peniche, estabelecendo alicerces bem fortes para o sexto título nacional, o “primeiro objetivo da temporada”, afirma a ex-campeã mundial:

“Estou contente porque estou mais perto do objetivo inicial da temporada. Ainda falta muito campeonato mas estou lançada. Depois gosto muito desta onda, desde que competia nos esperanças que me dou bem aqui. E o percalço que tive aqui no Europeu deu-me um bom tónico para ganhar aqui e lembrar-me que não há heats faceis”, sublinhou Joana Schenker.

O
pódio feminino ficou completo com Madalena e Teresa Padrela nos segundo
e terceiro lugares, enquanto Leonor Monteiro foi a quarta classificada.

Entretanto,
na variante de Dropknee, David Rafachinho, atleta da Caparica, foi o
vencedor, com o penichense Hélio “Laranja” Conde a conquistar o segundo
posto e a subir
à liderança do circuito destronando do lugar cimeiro o campeão em
título Luís “Porkito” Pereira, atleta da Figueira que esteve ausente na
Caparica. Miguel Adão e Miguel Rocha foram o terceiro e quarto
classificados, respetivamente.

“A
entrada no campeonato foi também para ajudar o desporto, pois acho que é
minha responsabilidade enquanto atleta local participar quando a etapa
é na minha terra”
, afirmou David Rafachinho, acrescentando:
“Entrei sem grandes expectativas mas estava focado e a surfar para
ganhar. Depois, tive alguma sorte e acabo por levar o caneco para casa!”

O circuito segue agora para Santa Cruz, dias 18 e 19 de Maio.

CALENDÁRIO CIRCUITO NACIONAL 2019

1ª etapa – 23 e 24 de março, Peniche, BB Open, BB Fem e BB Dropknee

Organização: FPS / PPSC
2ª etapa – 13 e 14 de abril, Costa da Caparica, BB Open BB, Fem e BB Dropknee

Organização: FPS / Câmara Municipal de Almada
3ª etapa – 18 e 19 Maio, Santa Cruz, BB Open e BB Fem
Organização: FPS / A.S.S.C

4ª etapa – 25 Maio, Carcavelos, BB Fem

Organização: FPS / Aqua Carca 
5ª etapa – 01 e 02 Junho, S. Jacinto, BB Open e BB Dropknee

AF_Cartaz_Open_Etapa2_aoBaixo_v1

Nacional de Bodyboard segue para a Caparica para a segunda etapa de 2019

foto: Miguel Nunes

Ricardo Rosmaninho e Joana Schenker defendem liderança na Costa

A corrida pelos títulos nacionais de bodyboard continua na Caparica, nos próximos dias 13 e 14 de Abril, na Praia do Paraíso, com os melhores atletas nacionais da modalidade a disputarem a vitória nas divisões open, feminino e dropknee.

Na divisão open, a competição está acesa depois da sensacional vitória de Ricardo Rosmaninho na etapa inaugural, em Peniche. Mas existe a expectativa de ver se o bodyboarder da Póvoa de Varzim poderá sustentar o brilharete com um novo resultado que lhe permita aspirar pelo título, quando joga em casa do campeão Hugo Pinheiro.

Pinheiro é a grande incógnita desta etapa; candidato crónico ao título nacional, e a jogar na “sua” Caparica, terá de jogar uma cartada muito forte se quiser revalidar o ceptro depois de ter descartado a etapa penichense por estar a realizar um projecto de um patrocinador, no norte da Europa.

Se a isso juntarmos os restantes homens do pódio em Peniche, casos de Daniel Fonseca, Miguel Adão e Dino Carmo, para não falar, por exemplo, em Manuel Centeno, (surpreendentemente eliminado nos “quartos” em Peniche) e espera-se uma verdadeira batalha nas ondas da Caparica.

Ricardo Rosmaninho, todavia, está moderadamente otimista. “Quando cheguei a Peniche não estava à espera de ganhar porque a primeira etapa nunca é a minha melhor. Mas isto mudou a minha abordagem”, confessa o atleta do Clube Naval Povoense.

Rosmaninho, apesar dos seus 22 anos, é já um “habituée” em grandes performances mas sempre lhe faltou qualquer coisa para conquistar um título. O que mudou, afinal?

“Acho que estou mais consistente. Já compito no open desde os 17, com bons resultados, mas nunca me senti na luta pelo título, embora houvesse quem me apontasse nesse sentido. Essencialmente mudou a minha atitude, o meu ‘mind set’. E tenho um preparador físico que tem trabalhado comigo para este fim e isso notou-se na final, estava com mais energia e mais confiante”, explica Ricardo Rosmaninho.

Schenker (quase) a jogar em casa

Se no open, Rosmaninho foi um vencedor quase surpreendente, no feminino, Joana Schenker não deixou os créditos de campeã serem arrastados pelas correntes do Pico da Mota, onde se realizou a etapa penichense, e venceu, apesar da forte concorrência da carcavelense Mariana Rosa, que ainda lhe “mordeu os calcanhares”. Para não falar da nazarena Teresa Almeida e de Madalena Padrela, outra atleta de Carcavelos.

Na Caparica, Joana espera manter o registo inatacável de cinco vitórias consecutivas. De facto, desde que o Nacional regressou às praias da Margem Sul que a ex-campeã mundial nunca perdeu ali. E este ano aposta em manter a série perfeita.

“Gosto muito da etapa da Costa da Caparica, sempre fui muito bem tratada ali, sinto-me praticamente em casa, e o facto de nunca ter perdido ali não prejudica nada a minha opinião (risos). Penso também que é muito importante ser uma etapa em que os atletas masculinos e femininos têm o mesmo ‘prize money’ o que faz com que esta etapa seja um exemplo para todo o desporto. É algo que gosto de sublinhar e que tem de ser aplaudido”, diz Joana Schenker, acrescentando a propósito da competição:

“O Circuito Nacional é um dos pontos altos da minha época e este ano tem a particularidade de terminar imediatamente antes do arranque do Mundial, pelo que servirá de uma excelente rampa de lançamento para a minha tentativa de lutar, novamente, pelo título mundial.”

CALENDÁRIO CIRCUITO NACIONAL 2019

1ª etapa – 23 e 24 de março, Peniche, BB Open, BB Fem e BB Dropknee

Organização: FPS / PPSC
2ª etapa – 13 e 14 de abril, Costa da Caparica, BB Open BB, Fem e BB Dropknee

Organização: FPS / Câmara Municipal de Almada
3ª etapa – 18 e 19 Maio, Santa Cruz, BB Open e BB Fem
Organização: FPS / A.S.S.C

4ª etapa – 25 Maio, Carcavelos, BB Fem

Organização: FPS / Aqua Carca 
5ª etapa – 01 e 02 Junho, S. Jacinto, BB Open e BB Dropknee