Miguel Adão

MIGUEL ADÃO FECHA NACIONAL COM CHAVE DE OURO VENCENDO NA PÓVOA DE VARZIM

Miguel Adão venceu hoje a quarta a última etapa do Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020, realizada na Praia Salgueira, Póvoa de Varzim.

O bodyboarder de 24 anos, vindo da Figueira da Foz, bateu, na final, o favorito local Ricardo Rosmaninho, o 8 vezes campeão nacional Manuel Centeno e o sintrense Nicolas Rosner, para conquistar a sua primeira vitória de sempre num Nacional Open.

“Estou muito feliz por ter conseguido vencer. Desde o início do ano que estava muito motivado para este circuito e para fazer um bom resultado. Estive sempre à porta, fiz meias-finais, fiz uma final e nesta última etapa dei tudo por tudo. Agora é continuar e fazer ainda melhor para o ano e só vou descansar quando for campeão nacional”, congratulou-se Miguel Adão.

Uma etapa realizada em condições muito difíceis, com uma ondulação a crescer desde o primeiro dia, ao ponto de a organização questionar se conseguia completar a prova, mas que terminou com Teresa Padrela, ontem, e Miguel Adão, hoje, a sagrarem-se campeões da etapa e Joana Schenker, também ontem, a arrecadar o seu sétimo título nacional, juntando-se a Daniel Fonseca como campeã de 2020.

Recorde-se que Daniel Fonseca já tinha garantido o título nacional open, a semana passada, em Peniche.

E assim termina o Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020, realizado em condições extraordinariamente difíceis, em ano de pandemia COVID-19, com a promessa de regressar para o ano com mais e melhor bodyboard.

DSC01948_

JOANA SCHENKER CAMPEÃ NACIONAL NA PÓVOA DE VARZIM… MAS COM UM SUSTO

Joana Schenker arrecadou hoje o sétimo título nacional de Bodyboard, na Póvoa de Varzim, com um invulgar quarto lugar na final, beneficiando da eliminação de Teresa Almeida, sua concorrente direta na corrida ao título, nas meias-finais da prova.

Mas quase houve golpe de teatro na Praia da Salgueira, por força de um cenário que passou de apenas matematicamente possível para iminente: a jovem Filipa Broeiro, de apenas 18 anos, corria por fora para o cetro nacional mas precisava de ganhar a etapa e, além disso, que Schenker fosse quarta classificada.

Joana surfou tranquilamente até à final, viu Teresa Almeida eliminada nas “meias” e, como tal, a porta escancarada para o título. Só que na final, quando estava em segundo lugar, atrás da carcavelense Teresa Padrela, cometeu uma interferência sobre Filipa Broeiro e, como tal, viu cortada a sua segunda melhor nota, caindo para quarto lugar da bateria.

O tal golpe de teatro só não se deu porque Padrela não cedeu o primeiro lugar a Filipa Broeiro e Joana segurou a lycra verde de campeão nacional. Mas não ganhou para o susto, admite:

 “Foi um bocado mais dramático do que estava à espera. Tinha a certeza que tinha a prioridade, estava sozinha lá fora e não via bem as placas de prioridade, por isso fui na onda e de repente vi a Filipa. Fiquei estupefacta pois estava na luta pelo primeiro lugar e, de repente, fiquei em quarto. Foi um incidente que podia ter estragado tudo.”

Para a vencedora da etapa, Teresa Padrela, a vitória nesta etapa teve um sabor agridoce, depois de uma temporada atribulada:

“Foi uma etapa muito difícil e mesmo na final só tive a certeza que tinha ganho quando saí da água. No final, sinto-me um bocadinho frustrada por ter perdido as duas primeiras etapas na primeira ronda, e equacionei mesmo não vir à Póvoa. Foi só por insistência da minha treinadora, Catarina Sousa, que vim cá. Mas ainda bem que o fiz já que foi a primeira vez que venci uma etapa com a Joana Schenker e isso dá-me mais confiança para o futuro.”

Teresa1 - cópia

JOANA SCHENKER E TERESA ALMEIDA NUM DUELO DE CAMPEÃS MUNDIAIS NA PÓVOA DE VARZIM

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola chega à quarta e derradeira etapa, na Póvoa de Varzim, com o título masculino entregue a Daniel Fonseca mas com a decisão do título feminino em cima da mesa e a campeã nacional em título, Joana Schenker a reeditar mais um duelo com a sua rival de vários anos, a nazarena Teresa Almeida.

 

 

Uma campeã mundial do circuito profissional, Schenker, terá de dar o seu melhor para suplantar a antiga campeã mundial da International Surfing Association, Teresa, num local em que não se realizam provas do Nacional há cerca de 20 anos. Ingredientes de luxo para um espetáculo competitivo que fará história, tal como o próprio circuito, a única prova de bodyboard desta dimensão em todo o Mundo, num ano em que o próprio circuito mundial não existiu enquanto tal.

 

Teresa Almeida é a primeira a sublinhar a importância deste evento, realizado em características únicas:

 

“Este ano, mais que nunca, tenho vontade de ter bons resultados. Por ter o meu patrocinador principal, o Crédito Agrícola, a patrocinar o circuito, por termos melhores condições em todos os aspetos da prova, e porque ganhar num ano destes, tão atípico, tão difícil para todos, seria ainda mais especial, mais marcante. Este é o ano que considero da viragem positiva do Bodyboard em Portugal.”

 Joana Schenker, por sua vez, garante estar refeita da eliminação prematura que sofreu na terceira etapa, em Peniche, assumindo o erro que facilitou o seu afastamento, nas meias-finais, e impediu a revalidação do título depois de duas vitórias em outras tantas etapas (Santa Cruz e Nazaré):

 “O heat de Peniche foi um pouco estranho. Decidi apostar no ‘outside’ e insisti ali numa altura em que as ondas começaram a dar mais perto da areia. Depois reagi tarde e a Mariana [Rosa] apanhou uma onda a 10 segundos do fim e virou a bateria. Foi um erro tático e um péssimo resultado. Um quinto lugar que foi o meu pior resultado no Nacional desde 2014. Foi um lapso que abriu a porta à Teresa e agora tudo está mais interessante.”

Com o título masculino decidido, restam agora pontos de honra, como os do local da Póvoa de Varzim Ricardo Rosmaninho, que em 2019 foi um dos candidatos ao título e que este ano ocupa o nono lugar do “ranking”.

 

 

“Este foi um ano estranho para mim. Demorei a encontrar o meu ritmo, demasiado ansioso nos meus ‘heats’. Em Peniche estava mais calmo, mais focado, mas fui penalizado com uma interferência nas meias-finais e não pude ir mais longe”, assume Rosmaninho, que faz um “raio-x” à onda da Praia da Salgueira onde, em princípio, se realizará a competição:

 

“É uma onda para a esquerda, de fundo de pedra, com um ‘reef’ lá fora que depois desenrola mais perto da areia e dá as principais secções. Não é uma onda fácil de ler. Quem surfa ali regularmente já lhe conhece as manhas mas entre os principais atletas do Nacional, temos o Manuel Centeno que também já surfou ali muitas vezes em regionais e conhece bem.”

 

E quanto aos objetivos do bodyboarder do Clube Naval Povoense, esses são bem claros: “Para esta etapa, o objetivo é ganhar, sem dúvida. Só penso nisso, em ganhar em casa e dar essa alegria ao pessoal da Póvoa e a todos os que me apoiam.”

Pode seguir a transmissão da prova no canal de youtube da BBoard TV

Calendário Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

1ª etapa – Santa Cruz, 22 e 23 Agosto

2ª etapa – Nazaré, 3 e 4 de Outubro

3ª etapa – Peniche, 17 e 18 de Outubro

4ª etapa – Póvoa de Varzim, 24 e 25 de Outubro

DanielFonseca

DANIEL FONSECA CAMPEÃO NACIONAL EM PENICHE

Daniel Fonseca campeão nacional em Peniche

Teresa Almeida vence e pressiona Joana Schenker

 

A terceira etapa do Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020, em Peniche, teve um pouco de tudo: Daniel Fonseca sagrou-se campeão nacional 2020, o eterno Manuel Centeno foi o campeão desta manga e Joana Schenker viu adiado o sonho do sétimo título nacional para a derradeira etapa, no próximo fim-de-semana, na Póvoa de Varzim, já que foi eliminada nas meias-finais e viu Teresa Almeida vencer e relançar-se na corrida ao título feminino.

 

Daniel Fonseca revalidou o título de campeão nacional ao segurar o segundo lugar numa final ganha por Manuel Centeno, com Helder “Dicha” Mendes no terceiro lugar, e Hélio “Laranja” Conde a fechar o pódio.

 

Uma conquista que se começou a desenhar nas meias-finais quando o segundo classificado do “ranking”, Miguel Adão, foi eliminado. Na final, bastava a Daniel ser segundo e o penichense cumpriu o requisito, somando este resultado à vitória na primeira etapa, em Santa Cruz, e ao segundo posto na Nazaré.

 

“Foi uma conquista feita passo a passo, houve ‘heats’ difíceis mas a partir das meias-finais senti-me muito bem, consegui o objetivo que era ser campeão em Peniche e agora vou para a Póvoa [de Varzim] fazer aquilo que gosto mais, surfar e competir”, resumiu Daniel Fonseca.

 

O vencedor da etapa, Manuel Centeno, dono de oito títulos nacionais, mostrou que aos 40 anos ainda está “para as curvas” e com capacidade para ombrear com atletas com metade da sua idade:

 

“Soube muito bem ganhar aqui, entrei solto, tive um susto nos quartos de final que consegui virar à última, mas estava confiante, sabia que queria quebrar o que me aconteceu na Nazaré, onde perdi nos oitavos de final e isso deu-me uma motivação extra. De resto, sinto-me bem, cuido do corpo, com a alimentação, o movimento, e um estilo de vida que me proporciona bem-estar. E tenho muita vontade. É um querer diferente de há 10 ou 15 anos atrás, mas continua bem vivo.”

 

Manuel Centeno elogiou também o atual circuito nacional que, diz, fez muito pela sua motivação e pela motivação de todos os atletas envolvidos:

“Eu acho que os ovos estavam aqui, faltava o cozinheiro, ou seja uma equipa com gosto e competência que agarrasse nisto e elevasse o bodyboard. Isso contagia os atletas, as pessoas que acompanham o circuito e alinharam-se todos os elementos que fizeram com que isto tivesse o sucesso que está a ter.”

Na competição feminina, a surpresa acabou por ser a eliminação de Joana Schenker nas meias-finais. A campeã nacional que dominou o circuito até aqui, com duas vitórias em outras tantas etapas, acabou por ser afastada por Madalena Padrela e Mariana Rosa, abrindo o caminho para que Teresa Almeida chegasse à final e impusesse o seu surf, superando a ericeirense Filipa Broeiro, Madalena Padrela e Mariana Rosa, segunda, terceira e quarta classificadas, respetivamente.

 

“Já não ganhava uma etapa no Nacional há alguns anos e sentia-me motivada e com vontade de ter bons resultados. Nem pensava no título mas a Joana abriu-me essa porta e agora está nas minhas mãos, só depende de mim e vou dar o meu melhor para o conseguir”, sintetizou Teresa Almeida.

 

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020 segue agora para a Póvoa de Varzim, para a derradeira etapa, no próximo fim-de-semana (dias 24 e 25).

Pode seguir a transmissão da prova no canal de youtube da BBoard TV

Calendário Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

1ª etapa – Santa Cruz, 22 e 23 Agosto

2ª etapa – Nazaré, 3 e 4 de Outubro

3ª etapa – Peniche, 17 e 18 de Outubro

4ª etapa – Póvoa de Varzim, 24 e 25 de Outubro

Cartaz_Nazaré_1920x1080_Teresa_V2

NAZARÉ RECEBE SEGUNDA ETAPA DO CIRCUITO NACIONAL DE BODYBOARD CRÉDITO AGRÍCOLA 2020 COM FILHOS DA TERRA A ESPREITAR O PÓDIO!

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020 vai este fim-de-semana (dias 3 e 4 de Outubro) à Nazaré, capital mundial das ondas grandes, para a reformulada segunda etapa da corrida aos títulos nacionais open masculino e feminino. Recorde-se que, há duas semanas, aquela que deveria ser a segunda etapa, em Peniche, teve de ser remarcada por força do ciclone Alpha, que se abateu sobre aquela península do Oeste.

Após a etapa inaugural do circuito, em Santa Cruz, o mês passado, Daniel Fonseca e Joana Schenker iniciaram a defesa da camisola verde Crédito Agrícola (que distingue os campeões em título), da melhor maneira, ao vencerem as respetivas competições, mas na Nazaré, os nazarenos Dino Carmo e Teresa Almeida, vice-campeões nacionais do ano passado, querem mostrar que quem manda nas ondas “lá de casa” são eles.

 “Vou para qualquer campeonato com a intenção de ganhar e a surfar em casa, muito mais”, começa por dizer Dino Carmo, um dos bodyboarders portugueses em atividade com maior experiência internacional, recordando:

 “Competir em casa motiva-me ainda mais. Lembro-me o primeiro Mundial em que competi aqui e consegui um bom quinto lugar.”

Teresa Almeida alinha pelo mesmo diapasão de Dino e diz-se motivada:

 “É muito bom ter um campeonato em casa. Ao que tudo indica pelas previsões será na Praia da Vila e não na Praia do Norte, mas é bom surfar ali, já ganhei lá alguns campeonatos na época em que fazia o Esperanças e tenho boas recordações.”

De facto, no fim-de-semana da competição, a Praia do Norte da Nazaré deverá ter ondas gigantes, mais adequadas ao “tow in surfing”, em que os atletas são rebocados para as ondas do que a um campeonato de bodyboard, mas para Dino Carmo, a alternativa da Praia da Vila não será uma escolha de segunda, antes pelo contrário:

“Uma coisa é certa: vamos ter ondas de bodyboard. A Nazaré, seja com ondas grandes ou pequenas, tem quase sempre ondas adequadas à nossa modalidade. É por isso que 95 por cento dos locais são bodyboarders e poucos se dedicam ao surf.”

Mais uma vez, Teresa Almeida concorda, acrescentando: “Vamos ter condições bastante razoáveis, sobretudo se tivermos em conta que na Praia do Norte, ao que tudo indica, vamos ter ondas só surfáveis em tow in. Mas acima de tudo, acredito que a Praia da Vila nos dará muitas alegrias neste campeonato.”

Mesmo que a família e os amigos, que com certeza estariam na areia a torcer pelos da casa, estejam desaconselhados a fazê-lo pelas medidas de contingência anti-COVID.

É verdade, infelizmente não vamos poder ter público, o que é uma pena para mim e para os meus colegas da Nazaré, mas em compensação vou dar o meu melhor para lhes dar uma vitória que possam assistir na transmissão do webcast”, diz Teresa Almeida.

Dino Carmo conclui ainda a conversa com palavras de incentivo à organização que diz, enfrentou “um grande teste” com a remarcação da etapa de Peniche:

“Esta organização está de parabéns por tudo o que tem feito. Enfrentou um teste difícil com a etapa de Peniche mas soube continuar e tem todo o meu apoio. Ando desde muito novo a competir em Nacionais, já vi muita coisa e agora vejo um novo caminho e é motivante ver este circuito transmitido em direto, é motivante subir estes degraus, como atleta e apoiante deste desporto. Isto mostra que o bodyboard está bem vivo e assim continuará!”

 Pode acompanhar a transmissão em direto no canal de youtube da BBoard TV

 

Calendário Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

 

1ª etapa – Santa Cruz, 22 e 23 Agosto

2ª etapa – Nazaré, 3 e 4 de Outubro

3ª etapa – Peniche, 17 e 18 de Outubro

4ª etapa – Póvoa de Varzim, 24 e 25 de Outubro

Daniel Fonseca_foto Henrique Casinhas

BODYBOARDERS NACIONAIS PROCURAM “FELICIDADE” EM SUPERTUBOS

Daniel Fonseca e Rita Pires são dois dos atletas em destaque para a segunda manga do Nacional, nos próximos dias 19 e 20, em Peniche. Daniel, o campeão nacional em título, espera excelentes condições para a praia de Supertubos, o palco preferido da península do Oeste. Rita Pires, 11 vezes campeã nacional, fala do seu regresso à competição e do circuito

 Há já grande expectativa à volta da segunda etapa do Circuito Nacional de Bodyboard, dias 19 e 20 deste mês, em Peniche, com mais 60 dos melhores atletas nacionais da modalidade esperados na Praia de Supertubos para as competições open masculina e feminina.

Num ano em que a organização fez grande aposta com novo patrocinador principal do circuito e um webcast inédito na história da modalidade, tudo indica que os elementos conspiram a favor desta etapa, esperando-se, a avaliar pelas previsões de longo prazo, excelentes condições na praia de Supertubos, com ondas de tamanho bastante razoável e vento Norte, “offshore” naquela praia da península penichense. Tudo somado e traduzido, ondas tubulares e grande espetáculo de bodyboard.

Esta é, pelo menos, a expectativa de Daniel Fonseca. O campeão nacional, local de Peniche e líder do circuito, convidado a reagir às previsões para o campeonato responde com apenas uma palavra: “Felicidade!”

 “Pelo menos desde Santa Cruz (primeira etapa do circuito nacional, o mês passado) que não há uma boa ondulação para Supertubos e, habitualmente, a primeira ondulação de Setembro costuma dar altas ondas”, assegura Fonseca, justificando: “Nesta altura, a praia está ainda com fundos de verão, com muita areia depositada nos bancos, o que tem como efeito a formação de boas ondas.”

 Daniel Fonseca é, obviamente, um dos favoritos à vitória em Peniche, com o fator casa a pesar significativamente, mas o campeão nacional coloca alguma água na fervura das apostas: “É difícil apontar favoritos numa onda como a de Super. É uma onda que permite que o quarto classificado na bateria faça, de repente, uma nota 10 num tubo profundo e vire o heat a seu favor. Há muitos fatores concorrentes ali, mas é verdade que me sinto em casa e essa é a única vantagem ao meu dispor. Só posso dizer que vou tentar mostrar o meu melhor nível e, agora com o webcast posso dizer isto, mostrá-lo ao Mundo.”

Outra figura que irá concentrar muitas atenções é Rita Pires. A 13 vezes campeã nacional, lenda internacional da modalidade, regressou à competição para este circuito Nacional e fez questão de explicar que, aos 42 anos, ainda tem muito surf para mostrar, tendo chegado ao terceiro lugar na etapa inaugural do circuito, o mês passado, em Santa Cruz.

Depois de um interregno de 8 anos (competiu pela última vez no circuito nacional de 2012), a local da Costa de Caparica conta a história de um regresso que esteve para não acontecer: “Estive afastada, não só da competição, mas do próprio bodyboard durante alguns anos. Mas no início de 2020 recebi um convite da Associação de Surf da Costa de Caparica, pela pessoa do seu presidente Miguel Gomes, para representar o clube na Taça de Portugal. Foi um desafio que aceitei com agrado por ser o clube da terra e voltei a treinar. A Taça acabou por ser cancelada e com ela, pensei, a hipótese de regressar. Mas depois vi a apresentação deste Nacional, achei o formato interessante, as etapas e as datas, que não interferiam com a minha agenda pessoal, e decidi participar.”

 A análise que a experiente bodyboarder internacional fez do atual circuito foi determinante na decisão, afirma: “Parece-me que a organização deu todos os passos certos, com o mérito acrescido de o ter feito num ano em que estamos a lidar com uma situação de extraordinária dificuldade com esta pandemia.”

 E acerca da sua participação na etapa de Peniche e, espera-se, o reencontro competitivo com a onda de Supertubos?… “As previsões favoráveis são uma boa notícia. É uma onda que gosto muito e ficarei muito contente se tudo se alinhar para termos boas condições.”

 Para seguir a transmissão em direto aceder ao canal de Youtube da BBoard TV

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand

2ª etapa, 19 e 20 de Setembro, Peniche, FPS/PPSC

3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN

4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

118236508_140125391102607_797623961067507139_o

DANIEL FONSECA E JOANA SCHENKER TRIUNFAM NA PRAIA DO MIRANTE

 

Os campeões nacionais em título, Daniel Fonseca e Joana Schenker, confirmaram o seu estatuto e venceram hoje a primeira etapa do Circuito Nacional de Bodyboard 2020, na Praia do Mirante em Santa Cruz.

 Mas não foi, nem de perto nem de longe, um passeio para Daniel e Joana, que tiveram pela frente concorrência muito forte e, até certo ponto, inesperada.

 Na competição masculina, depois de, no sábado, Pierre Louis Costes ter dominado, tendo estado muito perto de conseguir uma nota 10 (9,83) e somado o score total mais alto da competição (17,83), o “wildcard” do circuito foi surpreendentemente eliminado nos quartos de final da prova, batido por Daniel Fonseca e Fábio Farricha, começando a desenhar-se assim o triunfo do campeão nacional.

 Contudo, com nível altíssimo e grande nível de incerteza a caracterizar toda a prova, quem assistiu ao webcast (o primeiro da história do circuito nacional) viu nas meias-finais o 8 vezes campeão nacional Manuel Centeno surfar a níveis estratosféricos e “despachar” o atleta local da Associação Sealand, Pedro Fernandes, e o penichense Fábio Farricha com um score total de 17.66 (9.33 e 8.33), levando Daniel Fonseca pelo braço (13.37) até à final.

 Mas na final, Daniel puxou dos galões, fez um heat inteligente e apoiado numa onda de 8.50, juntou mais um “score” de 6.33 e venceu a etapa.

 O segundo classificado foi uma meia-surpresa: Joel Rodrigues, do Clube Naval Povoense, de apenas 16 anos, fez um heat extraordinário (14.17) e ficou perto de conquistar uma vitória histórica.

 No terceiro lugar acabou Miguel Adão, da Figueira da Foz, que liderou grande parte da bateria, e Manuel Centeno, que passou o heat à procura de uma onda igual às duas que apanhou nas “meias”, ficou pelo quarto lugar.

 “Estivemos um pouco à espera que começasse o heat e vi que haviam umas ondas que tinham muito mais potencial. Não arrisquei muito, fiz uma pontuação de ‘backup’ e depois esperei pela onda em que encaixei três manobras e que me permitiu ganhar a bateria”, resumiu Daniel, acrescentando a propósito da sua campanha pela defesa do título: 

 “Foi o melhor arranque que podia desejar e esta organização excelente que está por trás deste circuito dá-me ainda mais motivação para representar o bodyboard nacional e ser campeão novamente.”

 Na prova feminina, Joana Schenker teve de suportar o assalto à vitória por parte da nazarena Teresa Almeida e da regressada Rita Pires, a 11 vezes campeã  nacional que voltou a competir após um afastamento de 7 anos e teve um impacto incrível na etapa, classificando-se em terceiro lugar, apenas superada pela atual campeã, Joana Schenker, e por Teresa Almeida, que também protagonizou notável exibição. Mariana Machado, “wildcard” da Associação Sealand, de Santa Cruz, fechou o pódio.

 “Foi um stress bom voltar à competição. Senti um pouco o nervosismo e pressão nesta final, que não foi fácil, mas felizmente apareceu uma onda boa para mim. Mas todas surfámos bem na final e foi bom conseguir impor-me e ganhar”, afirmou Schenker, que não poupou elogios organização deste renovado Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020: 

 “Adorei este campeonato, foi um sucesso do princípio ao fim. Tivemos o regresso da Rita Pires, uma atleta muito importante para mim no início da minha carreira competitiva, e que surfou muito bem. Foi bom voltar a sentir a pressão de ter ali a Rita. Mas gostei mesmo da organização, do webcast, e senti-me muito bem a competir pois senti que estava no sítio certo. Tudo a correr bem num campeonato muito profissional e só tenho de dar os parabéns a todos os envolvidos.”

 O circuito segue então para Peniche, dias 19 e 20 de Setembro, para a segunda etapa.

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

 

1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand

2ª etapa, 19 e 20 de Setembro, Peniche, FPS/PPSC

3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN

4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

santa

OS 64 MELHORES RIDERS NACIONAIS, SÁBADO E DOMINGO, NA PRAIA DO MIRANTE

 

Arranque do Nacional de Bodyboard em Santa Cruz com grande adesão e promessa de boas ondas. Mariana Machado e Guilherme Godinho são as mais recentes novidades para a etapa inaugural do Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola, que arranca este fim de semana (22 e 23), em Santa Cruz. Dois dias de bodyboard do mais alto nível, com os 64 melhores atletas nacionais (48 masculinos e 16 femininos), entre os quais o convidado da organização, Pierre Louis Costes, francês duas vezes campeão do Mundo que se estreia este ano na competição doméstica, ao cabo de 10 anos a residir em Portugal.

A juntar ao elenco de luxo para a competição, as condições do mar confirmam o acerto da aposta da organização em Santa Cruz, com a promessa de uma boa ondulação, mesmo com algum vento norte à mistura.

Guilherme Godinho, um dos convidados locais, assegura que quem não conhece bem Santa Cruz ficará agradavelmente surpreendido. “A avaliar pelas previsões, as pessoas vão ficar surpreendidas pois vamos ter boas ondas. Não vai estar o melhor tempo para estar na praia mas vamos todos pelo surf e posso garantir que vamos ter dois dias de muito bom bodyboard. E depois, vamos ter os melhores portugueses e um bodyboarder que vai fazer tudo parecer fácil”, afirma Guilherme Godinho, referindo-se a Pierre Louis Costes, considerado por muitos o melhor bodyboarder mundial da atualidade. Guilherme, de 27 anos, nasceu em Lisboa mas há 13 anos que tem casa em Santa Cruz, pertenceu ao Núcleo de Bodyboard de Santa Cruz e é sócio da Associação Sealand desde a primeira hora. Ausente da competição há alguns anos e a trabalhar no estrangeiro, o wildcard local agradece a aposta da Sealand: “Não compito há dois anos mas tenho uma ligação de muito carinho à Sealand e agradeço muito a confiança que depositam em mim com este wildcard. Estão a fazer um grande trabalho pelo bodyboard e por Santa Cruz.”

 

Mariana Machado, outro nome que andou arredado do circuito nacional o ano passado, regressa este ano a convite da Sealand e está confiante num bom fim de semana de competição. “Sou das Caldas da Rainha mas conheço muito bem Santa Cruz, cheguei a trabalhar aqui alguns verões, dou-me muito bem com os locais e com a Associação Sealand, um clube em franco desenvolvimento, muito dinâmico e que tenho muito prazer em ajudar a crescer. De resto, Santa Cruz é o ‘spot’ ideal para ter um campeonato nesta altura do ano, estou confiante que teremos condições divertidas e o facto de não termos competição há tanto tempo vai fazer com que as pessoas se envolvam e motivem”, diz a bodyboarder de 29 anos.

Frederic Rebelo, presidente da Associação Sealand, corrobora as expectativas de um bom espetáculo, pormenorizando: “Vamos ter uma ondulação a entrar com muita força na sexta-feira e que vai descer ligeiramente durante o fim de semana, mas mantendo a consistência. É uma ondulação de noroeste e que que recebemos em Santa Cruz diretamente, de braços abertos. Também teremos algum vento norte, que não é o ideal mas que não deverá afetar as condições do mar. Aliás, o pico do Mirante, onde se realizará o campeonato, é o que tem apresentado melhores fundos, pelo que está tudo reunido para termos um excelente campeonato.”

Frederic Rebelo destaca a competência da associação a que preside na coorganização deste evento: “Temos pessoal com grande experiência em eventos deste género. Já participámos, com a Câmara de Torres Vedras, na organização de Europeus de Surf e Eurojuniores, por exemplo, e existe uma dinâmica desportiva e cultural muito grande aqui em Santa Cruz. Tenho muita confiança no sucesso de mais este desafio.”

 

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020

 

1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand

2ª etapa, 19 e 20 de Setembro, Peniche, FPS/PPSC

3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN

4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP

PLC

CAMPEÃO MUNDIAL PIERRE LOUIS COSTES É WILDCARD DO NACIONAL A CONVITE DA BBOARDTV

Francês vive em Portugal e vai estrear-se no CNBB CRÉDITO AGRÍCOLA 2020.

Pierre Louis Costes, campeão do circuito mundial em 2011 e 2016, vai competir pela primeira vez num circuito nacional português, no caso, no Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020, que arranca em Santa Cruz no fim-de-semana de 22 e 23 de Agosto.

Uma opção natural para o bodyboarder francês de 30 anos, que reside em Portugal há cerca de 10 anos, e que se explica por uma série de razões, de contexto internacional mas não só, diz:

“Sempre competi no circuito nacional francês e até já tive a oportunidade de entrar em nacionais nos EUA e na Austrália, mas à medida que os meus objetivos foram mudando, com a prioridade nos Mundiais e Europeus, os nacionais foram ficando para trás. Este ano, com o Mundial praticamente cancelado devido à pandemia, e com a oportunidade de competir no nacional português, não hesitei. A paragem do circuito mundial fechou-me uma porta mas abriu esta janela de oportunidade.”

Uma decisão que acarretou muita burocracia mas que, diz, se tornou mais apelativa tendo em conta as características da prova, explica aquele que é considerado por muitos o melhor bodyboarder da atualidade:

“O circuito nacional deste ano promete. Está muito bem organizado, as etapas são em altos ‘spots’ para surfar, têm transmissão em direto, e, como sempre em Portugal, um alto nível competitivo. Para mim, é o melhor circuito nacional de bodyboard do Mundo.”

PLC, como é conhecido no meio, não poupa elogios ao bodyboard nacional, que conhece muito bem, até de uma época anterior à mudança para Portugal:

“Desde que me mudei para Portugal que sigo o Nacional e admiro muito a qualidade da prova, com os melhores portugueses sempre a fazer questão de participar, o que nem sempre vejo noutros países. Daniel Fonseca, Dino Carmo, Hugo Pinheiro e Manuel Centeno são ‘riders’ de grande qualidade e estou muito curioso e com grande expectativa de competir com eles.”

Acerca da possibilidade de vencer a prova sem poder reclamar o título nacional por ser cidadão francês, Costes reconhece que já discutiu o tema com alguém que conhece bem essa realidade, Joana Schenker. Recorde-se que a campeã nacional nascida em Portugal, mas de ascendência alemã, chegou a vencer um circuito sem poder reclamar o título (2013), tendo entretanto assegurado a nacionalidade portuguesa e conquistado mais seis títulos nacionais.

“Acho que é a altura certa. Por uma coincidência feliz, a Pride, meu patrocinador principal, também vai apoiar o circuito, o que me deixa muito feliz. Temos quatro etapas muito sólidas”, refere PLC, destacando Supertubos “porque nunca tive a oportunidade de competir ali”, sublinha, acrescentando:

“Percebo que posso até ser um dos favoritos mas vai ser muito difícil. Já assisti a finais do Nacional e o nível é tão alto como no Mundial. Sei que não posso ser campeão nacional, mas ficaria muito contente e orgulhoso se vencesse este Nacional.”

Quanto aos maiores rivais na luta pela vitória, Pierre refere vários mas destaca um entre todos: o atual campeão nacional Daniel Fonseca.

“Vai ser o meu maior rival. O Daniel tem nível para fazer parte do ‘top’ mundial. É talvez o melhor português do momento. Sei que há uma geração mais jovem que começa a querer aparecer e os veteranos Manuel Centeno e Hugo Pinheiro, mas o Daniel, sem dúvida, será o grande obstáculo a ultrapassar.”

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020 arranca dias 22 e 23 de Agosto, sendo que a organização ainda divulgará, até lá, mais dois “wildcards” locais.

 

logo

PROVA ARRANCA 6 MESES DEPOIS DO INICIALMENTE PLANEADO DEVIDO À PANDEMIA

PROVA ARRANCA 6 MESES DEPOIS DO INICIALMENTE PLANEADO DEVIDO À PANDEMIA

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020 arranca com (muita) segurança e entusiasmo

Inicialmente previsto para dar o pontapé de saída em Março, na Póvoa de Varzim, o Nacional começa, afinal, em Santa Cruz, dias 22 e 23 de Agosto. Um feito da organização, patrocinadores, Federação Portuguesa de Surf e clubes envolvidos que implicou grande esforço logístico e um plano de higiene e segurança “à prova de bala”

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola (CNBBCA) está pronto para arrancar. Depois de substanciais reajustes no calendário e a elaboração de um robusto plano de higiene e segurança, necessários em consequência da crise pandémica da COVID-19, o Nacional está de pé e com quatro etapas que garantem um dos mais espetaculares circuitos de sempre.

O arranque é já em Agosto, em Santa Cruz, um dos “spots” mais consistentes da costa portuguesa (sempre garante de boas ondulações mesmo no pico do verão), passando depois, em Setembro, a Peniche, terra recheada de ondas de qualidade mundial, rumando então, em Outubro, a Nazaré e terminando na Póvoa de Varzim, um dos maiores “hubs” de jovens talentos da atualidade.

Um roteiro que tira proveito de todo o potencial das ondas nacionais e que traz grande satisfação aos protagonistas da modalidade, começando pelo campeão nacional Daniel Fonseca, que salienta “o feito” de erguer uma prova tão ambiciosa no atual contexto nacional e internacional: “Basta olhar para o mundo da competição, desportos de ondas e outros, e ver tudo parado para perceber que organizar um Nacional de Bodyboard neste panorama é um grande feito.” 

O campeão nacional acrescenta também que é com grande alegria que encontra uma razão para treinar: “Surfar faz parte da minha vida, mas treinar é outro estado de espírito e requer outra motivação que é muito difícil ter sem competições. Quanto ao objetivo para este ano, é o de sempre: ser campeão.”

Também a campeã nacional Joana Schenker partilha o entusiasmo de Daniel Fonseca e revela mesmo algum alívio tendo em conta que, devido ao contexto mundial, esta pode mesmo ser o único circuito em que poderá participar: “Fico muito contente por saber que vamos competir. Nós atletas precisamos disto para sentir que estamos a voltar a normalidade.” 

A campeã mundial de 2017 manifesta-se, acima de tudo, orgulhosa pelo “sinal importante” que o bodyboard português envia para fora simplesmente pelo facto de conseguir levantar um circuito do chão nesta altura. 

“É um sinal importante que conseguimos, enquanto modalidade e comunidade, ultrapassar adversidades e adaptarmo-nos a esta realidade impensável há apenas uns meses”, diz a bodyboarder de Sagres, acrescentando: “Vai tornar-se um verdadeiro acontecimento internacional e é um exemplo de otimismo para toda a gente, até extra-desportivamente.”

A demonstrar que este Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola está a ser extremamente mobilizador, há a celebrar a participação das duas maiores referências do bodyboard nacional dos últimos 15 anos, Hugo Pinheiro e Manuel Centeno, donos, entre os dois de 14 títulos nacionais.

Hugo, que o ano passado praticamente esteve afastado da competição, apela a todos para que estejam já em Santa Cruz, uma praia de que, assume “gosta muito”: “Fico muito feliz por ver anunciado o Nacional, ainda para mais com novos apoios e energia renovada, principalmente num ano super difícil para todos e terei todo o gosto em participar. Pode ser um ano de viragem e é fantástico conseguirmos fazer isto num ano que vai ficar marcado para sempre. Vamos estar numa praia de que gosto muito e que, sobretudo nesta altura do ano, é das melhores do país.”

Já Manuel Centeno, grande rival e amigo de Pinheiro, confessa ter saudades da competição: “A minha atitude nos campeonatos mudou, já não vou ‘contra tudo e contra todos’, de forma tão agressiva e até pouco saudável, vou competir contra mim. É um momento importante e sentir integrado numa comunidade que precisa de força, expressão, que precisa de pessoas como eu, o Hugo Pinheiro ou o Daniel. E confesso que, passados uns meses em casa, estou com saudades do som da buzina. Desperta sempre qualquer coisa…”

Também para a Federação Portuguesa de Surf, o lançamento deste Circuito Nacional de bodyboard Crédito Agrícola 2020 é de grande importância, dada a crise no panorama desportivo nacional e internacional. O presidente da FPS, João Aranha : “Assisto com grande entusiasmo ao advento de mais um Circuito Nacional de Bodyboard reforçado e musculado, com a aposta de um patrocinador que, como nós, acredita no sucesso desta aposta ambiciosa.”

Mas a grande notícia deste circuito é, para já, sem nenhuma bateria ainda disputada, a parceria com o “naming sponsor” Crédito Agrícola. Uma colaboração que Isabel Matos, Diretora do Gabinete de Comunicação e Relações Institucionais daquela instituição bancária, considera “natural”: “O sponsorship do Circuito Nacional de Bodyboard é uma iniciativa que surgiu como natural para o Crédito Agrícola, pois há muitos anos que apoiamos esta modalidade que conjuga a actividade desportiva com as preocupações ambientais. A política de sustentabilidade do Grupo Crédito Agrícola que colocamos em prática nos apoios que concedemos, vai ao encontro de uma população jovem e activa como são os praticantes de bodyboard. O Grupo CA com esta iniciativa reforça os seus valores e mostra o quanto está próximo dos jovens.”

Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2020
1ª etapa, 22 e 23 de Agosto, Santa Cruz, FPS /SeaLand
2ª etapa (data a confirmar), Peniche, FPS/PPSC
3ª etapa, 03 e 04 de Outubro, Nazaré, FPS / CDAN
4ª etapa, 24 e 25 de Outubro, Póvoa de Varzim, FPS /CNP